Psalms 102

Oração de um aflito que, quase desfalecido, derrama o seu lamento diante do Senhor .

Ouve a minha oração, Senhor ! Chegue a ti o meu grito de socorro!
Não escondas de mim o teu rosto
quando estou atribulado.
Inclina para mim os teus ouvidos;
quando eu clamar, responde-me depressa!

Esvaem-se os meus dias como fumaça;
meus ossos queimam como brasas vivas.

Como a relva ressequida está o meu coração;
esqueço até de comer!

De tanto gemer estou reduzido a pele e osso.

Sou como a coruja do deserto
Ou pelicano
,
como uma coruja entre as ruínas.

Não consigo dormir;
pareço um pássaro solitário no telhado.

Os meus inimigos zombam de mim
o tempo todo;
os que me insultam usam o meu nome
para lançar maldições.

Cinzas são a minha comida,
e com lágrimas misturo o que bebo,
10 
por causa da tua indignação e da tua ira,
pois me rejeitaste e me expulsaste
para longe de ti.
11 
Meus dias são como sombras crescentes;
sou como a relva que vai murchando.

12 

Tu, porém, Senhor,
no trono reinarás para sempre;
o teu nome será lembrado
de geração em geração.
13 
Tu te levantarás e terás misericórdia de Sião,
pois é hora de lhe mostrares compaixão;
o tempo certo é chegado.
14 
Pois as suas pedras são amadas
pelos teus servos,
as suas ruínas os enchem de compaixão.
15 
Então as nações temerão o nome do Senhor
e todos os reis da terra a sua glória.
16 
Porque o Senhor reconstruirá Sião
e se manifestará na glória que ele tem.
17 
Responderá à oração dos desamparados;
as suas súplicas não desprezará.

18 

Escreva-se isto para as futuras gerações,
e um povo que ainda será criado
louvará o Senhor, proclamando:
19 
“Do seu santuário nas alturas o Senhor olhou;
dos céus observou a terra,
20 
para ouvir os gemidos dos prisioneiros
e libertar os condenados à morte”.
21 
Assim o nome do Senhor
será anunciado em Sião
e o seu louvor em Jerusalém,
22 
quando os povos e os reinos
se reunirem para adorar o Senhor.

23 

No meio da minha vida
ele me abateu com sua força;
abreviou os meus dias.
24 
Então pedi:
“Ó meu Deus, não me leves
no meio dos meus dias.
Os teus dias duram por todas as gerações!”
25 
No princípio firmaste os fundamentos da terra,
e os céus são obras das tuas mãos.
26 
Eles perecerão, mas tu permanecerás;
envelhecerão como vestimentas.
Como roupas tu os trocarás
e serão jogados fora.
27 
Mas tu permaneces o mesmo,
e os teus dias jamais terão fim.
28 
Os filhos dos teus servos
terão uma habitação;
os seus descendentes serão estabelecidos
na tua presença.
Copyright information for PNVI